The Pretty Reckless irá tocar nos próximos meses em diversos festivais dos EUA e Europa, começando no fim de Abril e indo até Agosto. A Revenant Media conversou com a Taylor Momsen sobre essas experiências e a diferença de um show próprio para festivais. Confiram a tradução:

Revenant Media: A turnê de “Who You Selling For” levou vocês para o mundo todo, de 16 de Outubro até Março deste ano, em apoio ao seu mais recente lançamento. Você tem que ter um bom mês de “descanso” antes de voltar à estrada e tocar em festivais grandes. Como você gasta seu tempo nas pausas?

Taylor Momsen: Eu acho que a primeira coisa é fazer meu corpo descobrir em que fuso horário estamos. Em seguida, colocar sua vida de volta nos eixos, pois isso tende a desmoronar quando você está longe por tanto tempo. Depois é de volta à música e aos negócios. Ensaiar, fazer vídeos, escrever e elaborar estratégias.

RM: Quando a The Pretty Reckless faz um show próprio, você tem mais tempo para atrair a multidão para sua música. Você pode abrir com Follow Me Down, mudar para Since You’re Gone, e no momento em que Oh My God leva a Hangman, a multidão já está completamente encantada e sob seu feitiço até o final de um show de 12-15 músicas. De um modo geral, setlists em festivais pode ser metade do número de músicas. Como você escolhe o que você vai estar tocando para dezenas de milhares de fãs?

Momsen: É difícil. Você quer tocar coisas que você gosta e ainda dar às pessoas o que elas querem ouvir. Nossas músicas ao vivo tendem a ter entre cinco a sete minutos de duração, então quando você está tocando apenas 45 minutos, não há muito espaço para brincar. Tentamos fazer um conjunto rápido e poderoso, com hits suficientes para as pessoas que não estão familiarizadas com as músicas mais profundas do álbum. Realmente se resume a explodir tanto quanto você puder e deixar toda a sua energia no palco.

002d.jpg

RM: Em que ponto realmente você se tocou que sua música teve, e continuará a ter, uma influência tão imensamente positiva em tantas pessoas?

Momsen: Eu não sei realmente se um dia vou me tocar. Há momentos em que você pensa sobre isso e é esmagador. Estas canções que você escreve em seu quarto de repente se tornam essas coisas que as pessoas estão se relacionando, é muito poderoso. Mas há tanto foco envolvido em fazer música que eu tento não pensar sobre esse tipo de coisa até que aconteça.

RM: Como fã, o que mais te excita em tocar em festivais? Independente de ser festivais de rádios como Rockfest ou Northern Invasion. Nós vamos ver você do outro lado assistindo as outras bandas também?

Momsen: Bem, especificamente nesses festivais, acontece que Soundgarden estará em muitos deles. Eu sou uma grande fã, então é como ter passe livre para a sua banda favorita noite após noite. Eu definitivamente estarei assistindo. Festivais são ótimos, porque você começa a ver tantas bandas que você normalmente não teria tempo para assistir.

RM: Por fim, The Pretty Reckless foi uma das bandas mais esperadas para a segunda fase da Northern Invasion de 2015. Que expectativas você tem para superar quando retornar esse ano no palco principal?

Momsen: Música ao vivo é ótima porque é ao vivo, qualquer coisa pode acontecer. Essa incerteza cria a excitação, teremos que esperar e ver!

FONTE

TRADUÇÃO POR ONLYTPR

Anúncios