Taylor Momsen concedeu recentemente uma entrevista à Kerrang! Magazine, na qual conversou sobre o novo álbum, depressão, ansiedade e muito mais. Confiram a tradução:

Kerrang Magazine: Oi, Taylor! Primeiramente, você pode explicar o título “Who You Selling For”?

Taylor Momsen: Bem, é uma canção do álbum, e é instigante. Eu queria que esse álbum fizesse as pessoas pensarem de forma mais ampla do que apenas o óbvio. Colocando em questão, criará a dúvida que permitirá o ouvinte a entender melhor o álbum.

KM: Então o que o título significa para você?

TM: Significa uma coisa diferente para mim todos os dias (risos). Ele questiona, “O que eu estou fazendo com a minha vida?”, “O que o mundo está fazendo?” e “O que está acontecendo?”. Então significa uma coisa diferente para mim toda vez que eu penso nele. Essa música realmente descreve o álbum.

KM: “O que eu estou fazendo com a minha vida” é uma pergunta que você faz frequentemente?

TM: Basicamente a todo minuto.

KM: A arte da capa é muito assustadora… De onde ela veio?

TM: É uma representação muito direta de como eu me sinto no momento. Eu queria que fosse artística e mostrasse como estou me sentindo nessa junção em minha vida. Um artista veio até mim com essa imagem, e foi simplesmente perfeito! O artista é um amigo próximo que deseja ficar no anonimato, mas ele ouviu o álbum e trabalhou com base na música para criar a imagem.

KM: O que você está sentindo na sua vida exatamente agora, então?

TM: Confusão, depressão e ansiedade, apenas como todos os outros. Eu tenho certeza de que é como muitas pessoas se sentem o tempo inteiro. Música é meu dispositivo de fuga – é nela que eu sou livre para expressar todas essas emoções engarrafadas que tecnicamente você tem que esconder do mundo; é a minha salvação. É a minha saída. E quando eu não estou fazendo música, eu começo a perder minha mente e a minha identidade, e é uma coisa muito difícil que eu luto contra.

KM: Sua depressão melhorou enquanto você trabalhava no álbum? 

TM: Eu não diria que melhorou (risos), mas eu apenas continuo ficando mais velha, então eu penso que continua mudando. Não está necessariamente ficando melhor, é como uma metamorfose diária. [Ansiedade e depressão são] algo que eu tive a minha vida inteira – eu sou uma pessoa muito ansiosa, mas enquanto eu fico velha isso apenas muda para diferentes formas e é exposto através da minha arte. Escrever é o melhor presente que poderia ser dado, porque permite que você se expresse e fique são.

KM: Falando sobre compor – “Take Me Down” é sobre o quê?

TM: É uma música de rock’n’roll clássico, que foi inspirada na história de Robert Johnson de ir para cruzamentos e vender sua alma para o rock – o que eu faço de alguma maneira (risos). Eu dou minha vida para a música. E é uma história simples sobre entregar sua vida para algo que você ama muito e você precisa tanto disso que você vende sua alma.

KM: Existem desvantagens de vender sua alma para o rock’n’roll? 

TM: Com certeza (risos). Apenas pergunte para Robert Johnson – eu acho! Ele foi envenenado com 27 anos. Mas ao mesmo tempo, isso é tudo. Esse é o ponto – você não tem escolha, isso é o que você é, isso é tudo, se você não se entregar para isso, você não irá continuar.

KM: Você pensa em atuar novamente, ou música é seu único foco?

TM: Eu parei de atuar oito anos atrás! Eu não atuo desde que eu tinha 15 anos, eu não sou uma atriz – para mim, isso foi a minha infância. É como me perguntar se eu vou voltar para a pré-escola (risos). Então, não, eu não planejo voltar para a pré-escola…

Tradução: Momsen Brasil 

Edição: OnlyTPR

Anúncios